A cultura. A educação. E um povo!

25-11-2020

Tenho acompanhado, de perto, pelas notícias que circulam. Pelas manifestações sociais que se vão multiplicando. A precariedade para que foram, ainda mais, empurrados muitos sectores de atividade. Tenho acompanhado, de perto, pelos exemplos que, alguns de nós, vamos tendo. Junto dos nossos. Nas micro, pequenas e médias empresas. Na restauração. Nas atividades culturais. Etc.
Agora, a cultura. A educação.
Vemos placas, içadas no ar, pelas mãos de quem grita “A cultura é segura”. E é. E deveria ser. Não hoje. Mas sempre. Ouvimos barulho. Dos que desesperam. A cultura não é elitista. Não é de nichos. Não é para “intelectuais”. A cultura é para todos. E de todos. E é essencial. A cultura é educação. A educação é cultura. A cultura é um povo. A cultura é viajar, num balão de ar quente, e ver o mundo de um modo diferente. Sob outro ângulo.

 
Pausa: sabiam que, neste momento, a UNICEF (2020) estima que cerca de 150 milhões de crianças passem a viver em pobreza multidimensional (sem acesso, por exemplo, à educação, saúde, habitação, saneamento ou água, nutrição, etc.) caso persistam as interrupções graves nos serviços de saúde e o acesso restrito à educação na sequência da covid-19?


Continuando. A cultura, a educação, é o poder mais poderoso (o pleonasmo é propositado) que um povo tem. A cultura e a educação levam-nos à ciência. À inovação. À tecnologia. Ao respeito. À humanidade. Aos valores. À tolerância. À diferença. A cultura e a educação deviam ser consideradas os mais elevados valores de um povo. Pensem comigo, acho que não estarei a exagerar: não acham que, com educação e cultura, podemos ir até onde os nossos sonhos nos levarem? Vá, não sejam tão duros comigo: eu sei que precisamos de “pão para viver”. E é por isso que vos digo. E repito (só uma opinião, claro): a educação e a cultura são o “pão” que o povo precisa. Para viver. Porque, sem isso, seremos um nada. Sem identidade. Seremos um povo com fome. E sem personalidade. Somente um conjunto de robôs “esfomeados” programados para cumprir ordens (e, daí, o crescimento de ideologias, potencialmente, mais extremistas, em todo o mundo…). Para atingir metas. Sem direito ao recreio. O recreio que fará de nós, fundamentalmente, Pessoas.


A todos os profissionais que acarinham a educação. A cultura. Não importa em que área for [a cultura não tem sede própria, acho eu! A cultura e a educação também se veem nas feiras de artesanato ou num prato típico de um restaurante local. Ou no tricotar. Ou nos poemas. Ou nos palcos. Sejam eles quais forem]. Dizia eu, a todos os que acarinham a educação e promovem a cultura, o meu abraço. E que o grito que se ouve mobilize o Estado. Seja ele qual for. A acarinhar e a proteger a educação e cultura do nosso povo. Porque, sem isso, tenho receio, reste, apenas, a tristeza! O 1% do orçamento! E a fome! Não só essa fome. Mas também a fome! De recreios!  

A seu pedido de consulta foi enviado com sucesso!
Muito obrigado! Receberá um contacto breve da nossa parte!
Início
Qual a especialidade pretendida?
Por favor seleccione a especialidade.
Por favor confirme que aceita
a Política de Privacidade.
Para que o/a possamos contactar, selecione uma opção.
Por favor escreva o seu telefone.
O nº de telefone tem de ter 9 dígitos.
Por favor escreva o seu e-mail.
Agradecemos o seu contacto! Pode-nos dizer o seu nome?
Por favor escreva o seu nome.
A sua mensagem foi enviada com sucesso!
Muito obrigado! Receberá um contacto breve da nossa parte!
Início
Qual o assunto pelo qual nos contacta?
Por favor seleccione o assunto.
Por favor escreva a mensagem.
Por favor confirme que aceita
a Política de Privacidade.
Para que o/a possamos contactar, selecione uma opção.
Por favor escreva o seu telefone.
O nº de telefone tem de ter 9 dígitos.
Por favor escreva o seu e-mail.
Agradecemos o seu contacto! Pode-nos dizer o seu nome?
Por favor escreva o seu nome.